Notícias

Iguatama / Gerais

Médicos do Hospital São Francisco, em Iguatama, estão com salários atrasados devido a falta de repasse do Governo Estadual

Unidade está com 100% da capacidade ocupada e recebe pacientes da UPA de Divinópolis. SES-MG disse que se esforça para honrar os compromissos.

Foto: Samu/Divulgação

 Médicos do Hospital São Francisco, em Iguatama, estão há dois meses sem receber os salários. A Prefeitura informou que o atraso nos pagamentos é devido ao repasse que não foi feito, por parte do governo de Minas, de verbas da Rede Resposta.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) disse que se esforça para honrar compromissos.

Os seis médicos, que fazem o atendimento semanal de cerca de 300 pacientes da unidade, estão com os salários atrasados. Nesta quinta-feira (14) foi realizada uma reunião do corpo clínico com a Secretaria Municipal de Saúde, onde foi estabelecido que o município vai quitar o débito com recursos próprios para evitar que o atendimento seja suspenso.

Segundo o diretor do Hospital, que também é secretário de Saúde de Iguatama, Alexandre Corrêa, o governo de Minas deve ao município somente de verba do Rede Resposta, equivalente a R$ 80 mil.

“Este é o único hospital da cidade e atende 100% o Sistema Único de Saúde (SUS). O hospital é credenciado no Rede Resposta e atende 54 municípios da macrorregião. Não podemos parar o atendimento, senão a população ficará muito prejudicada”, informou.

Corrêa ainda destacou que pacientes de outros municípios, que têm enfrentado problemas com o pagamento dos médicos e os profissionais, decidiram restringir atendimento e estão sendo transferidos para o Hospital São Francisco.

“Podemos exemplificar Divinópolis. Todos os dias recebemos pacientes que dão entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Lá, os médicos estão restringindo atendimento e não é lugar de ficar pacientes internados. A cidade está com problemas de falta de leitos do SUS, hoje nós também estamos com 100% ocupados”, disse.

Em nota, a assessoria de comunicação da SES-MG informou que o Estado tem enfrentado um severo déficit financeiro. “Dessa forma, o governo de Minas Gerais decretou situação de calamidade financeira no âmbito do Estado, de acordo com o Decreto nº 47.101, de 5 de dezembro de 2016. Diante disso, a SES-MG está se esforçando para honrar os compromissos pactuados, manter suas ações e dar os melhores encaminhamentos o mais breve possível”, diz o texto.

Veja também

Publicidades